segunda-feira, 28 de março de 2016

Resenha: Incidente em Antares, Érico Veríssimo


Uma cidadezinha cheia de maquinações políticas, bandidagem, “jeitinho brasileiro” e muita hipocrisia.
Sinopse:
Em dezembro de 1963, uma sexta-feira 13, a matriarca Quitéria Campolargo arregala os olhos em sua tumba, imaginando estar frente a frente com o Criador. Mas logo descobre que está do lado de fora do cemitério da cidade de Antares, junto com outros seis cadáveres, mortos-vivos como ela, todos insepultos.

Uma greve geral na cidade, à qual até os coveiros aderiram, impede o enterro dos mortos. Que fazer? Os distintos defuntos, já em putrefação, resolvem reivindicar o direito de serem enterrados - do contrário, ameaçam assombrar a cidade. Seguem pelas ruas e casas, descobrindo vilanias e denunciando mazelas. O mau cheiro exalado por seus corpos espelha a podridão moral que ronda a cidade.

Em Incidente em Antares, Erico Verissimo faz uma sátira política contundente e hilariante que, mesmo lançada em 1971, em plena ditadura militar, não teve receio de abordar temas como tortura, corrupção e mandonismo. (Fonte: Skoob)


A primeira parte do livro temos uma verdadeira aula de história do Brasil, principalmente sobre a Era Vargas. Confesso que foi uma leitura arrastada e maçante para mim. Porém esta primeira parte do livro é muito explicativa e formação de personagens muito importantes como as duas famílias “donas” da cidade: Os Campolargos e Os Vacarianos. Acompanhamos toda a guerra destas duas famílias que dominam toda Antares, certas partes são violentas e difícil de digerir. Guerras que aconteceram no Brasil são relatas historicamente com personagens reais e outros fictícios que formam a estória.

A narrativa de Veríssimo é direta, com detalhes e algumas vezes cômica. A segunda parte do livro apresenta o “Incidente em Antares”, e o autor usa o realismo fantástico para desenvolver o problema levantando os mortos e transformando-os em zumbis brasileiros. Essa parte do livro foi a que mais gostei, fluiu muito bem e dei muitas gargalhadas com as situações cômicas destes personagens. Nesta segunda parte temos alguns dramas também, estórias de pessoas bem sofridas que não é diferente da realidade de muitas pessoas da sociedade brasileira, principalmente a classe baixa de trabalhadores, o autor expõe os problemas como crítica social para que o leitor reflita sobre muitos problemas sociais que não estão distante de nossa realidade.

Cada personagem tem sua importância, o patriarca dos Vacarianos o Coronel Tibério, que com sua arrogância e poder manda e desmanda em tudo e todos, querendo ser modelo de postura e sendo um hipócrita, déspota cretino que ganhou meu desprezo e ódio durante toda a leitura. O Zózimo Campolargo não tinha muita força como personagem, porém sua esposa Quitéria ganhou grande destaque na trama, mesmo sendo meio vilã D. Quitéria é uma mulher forte, decidida e que me conquistou durante a narrativa.
Temos muitos personagens importantes, que dão seu alívio cômico como Cícero Branco, Barcelona, Erotildes e Pudim de Cachaça. Outros personagens são mais dramáticos e suas condições e situações levam os leitores à reflexão como Padre Pedro Paulo, João Paz, Valentina e o Maestro Menandro Olinda. Todos são personagens bem construídos e que suas participações não são coadjuvantes, sendo todos principais.

Portanto recomendo a leitura deste livro brasileiro muito importante e muito bem escrito e desenvolvido, que mesmo não ter tido ritmo de início para mim, foi muito gratificante continuar a leitura e ter ficado satisfeita com a estória toda.

Quote
“Baixei a cabeça, olhei para a minha própria sombra, com uma súbita vergonha de pertencer à espécie humana.” Pág.: 300

sexta-feira, 25 de março de 2016

Momento Romance de Banca #32: Noiva Impossível, Leanne Banks

Sinopse:
Jenna Jean Anderson não achava que Stan Michaels era para casar. Eles se conheceram na época em que Stan era o capeta da cidade, e ela, a menina levada. Mas isso não a impediu de notar, anos depois, o sorriso malicioso ou o brilho sedutor em seus olhos… E agora que Jenna é uma mulher madura e linda, Stan não consegue tirá-la da cabeça. Ele sabe que não está mais lidando com uma princesinha de cidade pequena, porque apenas uma rainha teria o poder de fazer um homem como ele se ajoelhar!(Fonte Skoob)

Eu já sou fã desta autora já li outros livros da Leanne Banks, e gosto muito como ela constroe os personagens, romance e trama. Esse livro é o terceiro de uma trilogia que em cada livro conta a estória de uma delas. Neste último foi a estória da Jenna Jean, particularmente minha favorita. A protagonista é forte, decidida de caráter implacável e ao mesmo tempo sensível, carinhosa e com muitas incertezas que não deixa transparecer desta couraça que ela veste todos os dias, para se proteger e não se magoar. Ela reencontra Stan, amigo/pentelho de infância, e se surpreende no homem lindo, sexy, envolvente e honesto em que ele se tornou.

A trama é bem desenvolvida, sem pressa com os protagonistas se conhecendo melhor e os medos de Jenna aflorando para não embarcar numa aventura romântica tão intensa que ela prevê fracasso, porém Stan é insistente e será muito difícil para ela resistir. O romance é sem pretensões, com personagens que realmente cativam e que me fez identificar com a protagonista. A química entre os personagens principais é incrível, a autora realmente te convence com este casal, que não é meloso, porém intenso e de temperamento muito forte.
A narrativa é fluída e uma leitura deliciosa que prende o leitor até o final.
Recomendado para amantes dessas estórias rápidas, porém muito intensas!!

Quote:

“Ela estava com medo de acreditar, mas a cada beijo carinhoso, a cada carícia fervorosa, a cada olhar penetrante, ele lhe envolvia o coração, e seus braços fortes lhe envolviam o corpo.” Pág.: 199

sexta-feira, 4 de março de 2016

Momento Romance de Banca #31: Noiva de Inesperada, Leanne Banks


E se tudo pudesse ficar ainda pior? Essa pergunta seria respondida com afirmação para Maddie Palmer, pois estando grávida, presa no transito e entrando em trabalho de parto é tudo que uma mulher não quer.

Esse romance é continuação de uma série de três amigas, a primeira foi em Noiva de Momento que conta a estória da Emily (resenha aqui), e agora a autora Leanne Banks nos conta sobre esta personagem que não se deu tão bem na vida quanto esperava.
Maddie é uma jovem que até então se contentava com o pouco que seu namorado lhe dava de atenção, com idas e vindas onde Maddie morava, ele não ficava muito tempo, pois tinha sua banda e adorava viver sua paixão pela música, restando a nossa protagonista, promessas e sonhos sem nenhuma realidade. Estando grávida ela decide tomar as rédeas de sua vida e não mais se conformar com essas migalhas, pelo seu filho faria todo o possível para ter uma vida melhor. Durante seu trabalho de parto ela conhece Joshua um homem um pouco mais velho que a ajuda levando-a ao hospital e num ato de gratidão Maddie decide fazer jantar para Joshua e seu filho adolescente agradecendo por tudo. Porém nesses encontros o casal se conhece melhor e começam um jogo de sedução, mas também com muita ternura e amor.

A narrativa da autora Leanne Banks é muito fluida e suas estórias são sempre bem escritas e desenvolvidas. O romance traz a importância das pequenas coisas, também da estória de amizade dessas três garotas que apesar de muito tempo não deixaram seus laços de amor e ternura esmorecer. Maddie uma personagem que sofreu algumas decepções até perceber que merecia algo melhor e ser feliz, e que a felicidade muitas vezes não precisa de grandes feitos ou muito dinheiro, mas sim quando você se encontra satisfeito e vivendo um dia de cada vez. Joshua é um homem com algumas perdas na vida, o que o faz ser muitas vezes duro e intolerante, tem um filho adolescente que seria um pesadelo para muitos pais, mas seu filho é um amor de pessoa que só quer ver seu pai feliz. Entre Joshua e Maddie surge um amor maduro e bonito que precisa resistir ao passado triste e cheia de marcas destes dois protagonistas.

Um romance cheio de ternura, com situações engraçadas e como o amor também pode ser simples e complicado ao mesmo tempo. Leitura recomendada.

Quote:
“Resignada ao inevitável, ela ergueu-se na ponta dos pés, tocou o queixo teimoso dele com a ponta dos dedos e deu um beijo firme na boca de Joshua Blackwell.” Pág.: 41

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Resenha: Agnes Grey, Anne Brontë


Um romance do século 19, em que o principal não é o casal romântico, mas sim a formação de caráter dos personagens e como isso interfere na sociedade e relacionamento entre eles.

A Agnes, a protagonista e narradora da estória, vem de uma família bem pobre. Ela tem uma irmã mais velha: Mary, seu pai é o Pároco da região e sua mãe era uma moça muito educada e de família rica que foi deserdada por se casar com um homem pobre. Por esta família passar por uma determinada situação em que seu pai acaba muito pobre e doente, as filhas com a mãe tentam economizar ao máximo para sobreviver e a Agnes decide ser preceptora. A mãe e Mary não querem isso para a filha mais nova, porém de tanto insistir e por necessidades financeiras ela consegue uma colocação em uma cidade distante em uma família de posses. Chegando lá seu primeiro pesar é a separação da família, Agnes sempre teve o carinho, apoio e afeto de seus parentes e em sua primeira vez distante não foi fácil para ela. Mas isso não foi nada comparado ao desafio de instruir crianças mimadas, arrogantes, egoístas e mal educadas que ela encontra nessa casa para corrigi-las.

A narrativa da Anne Brontë, é muito fluida e muito agradável de ler, ora ela narra fatos bem difíceis e com certa frieza, em outros ela narra com muita delicadeza e sensibilidade. A autora nos conta a estória pelo olhar da protagonista, sem ser prolixa, mas sim muito objetiva e instigando o leitor a cada capítulo. Em alguns artigos descobri que este livro pode ser, em partes, autobiográfico da própria autora que por algum tempo também cuidou da educação de crianças de pais ricos para ajudar no sustento da casa.
A heroína da estória é muito cativante, embora jovem e sem experiência, Agnes consegue ter um caráter impecável e tomar boas decisões. Mesmo tendo que educar crianças que não mudam e aguentar arrogância de pais egoístas e prepotentes, Agnes não perde a esperança que acredito seja sentida por vários professores até hoje de que aquele aluno que dá trabalho possa mudar. Outros personagens são detestáveis, principalmente os pais destas crianças e até adolescentes que a Srtª Grey tenta educar, e até alguns clérigos muito hipócritas durante a leitura que são bem desagradáveis.

““E por que ele iria se interessar pelas minhas capacidades morais e intelectuais: que importância terá para ele o que eu penso ou sinto?” Perguntei a mim mesma. E meu coração palpitou em resposta a essa pergunta.” Pág.: 191

O livro também tem um romance, embora não seja o foco, mas formaram um casal muito fofo. Um livro surpreendente, sensível e que não deixa de refletir vários aspectos e pessoas de nossa sociedade atual. Romance de formação que recomendo para todas as idades, com muito a ensinar e sem dificuldades na linguagem tornando-o acessível a todos.

Quote:
“Paciência, firmeza e perseverança eram as minhas únicas armas; e eu estava decidida a usá-las ao máximo.” Pág.: 55

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Resenha: Eu Sou a Lenda, Richard Matheson

Sinopse: 
Uma impiedosa praga assola o mundo, transformando cada homem, mulher e criança do planeta em algo digno dos pesadelos mais sombrios. Nesse cenário pós-apocalíptico, tomado por criaturas da noite sedentas de sangue, Robert Neville pode ser o último homem na Terra. Ele passa seus dias em busca de comida e suprimentos, lutando para manter-se vivo (e são). Mas os infectados espreitam pelas sombras, observando até o menor de seus movimentos, à espera de qualquer passo em falso... Eu sou a lenda, é considerado um dos maiores clássicos do horror e da ficção científica, tendo sido adaptado para o cinema três vezes. (Fonte: Skoob)


Depois de uma praga apocalíptica, que dizimou milhares de seres humanos, "Robert Neville não está sozinho."

Um livro chocante, marcante, mas acima de tudo reflexivo.  Com uma narrativa envolvente o autor consegue que o leitor se ponha no lugar do protagonista e começa a pensar se isso realmente acontecesse, o que faríamos?
Richard Matheson é um ator que marcou sua geração, construindo uma ficção/terror que consagrou o gênero com sua obra “Eu sou a lenda”, escrita em 1954, mas que até hoje faz sucesso e inspira ávidos autores e conquista leitores de todas as idades. Uma obra que foi além de suas expectativas e para mim foi uma das melhores leituras deste ano (janeiro/2016) que mal começou.

O protagonista que narra toda a estória, é complexo e extremamente humano com seus erros e virtudes. Acompanhamos vários de seus flashbacks que mostra sua vida quando a praga chegou a sua família e amigos, até o momento atual. O leitor conhece todas as nuances de temperamento, pensamentos, atitudes deste personagem que cativa desde as primeiras páginas do livro. Robert muitas vezes, se questiona sobre sua humanidade, se ainda a tem ou se ainda vale a pena mantê-la. Se questiona por que isto tudo aconteceu? Por que permitimos isso? Será que vale a pena continuar mais um dia vivo? Acredito que seja o ponto chave do autor, os questionamentos que a leitura traz ao leitor que mesmo escrito a mais de 50 anos pode ser muito atual.
 As angústias do Neville são bem exploradas até seu processo de amadurecimento, e podemos notar todas as mudanças durante a leitura que muitas vezes me fez: chorar, pensar e me deixou melancólica também.

Uma leitura envolvente e que todo leitor de ficção e terror tem que ler, pela grandiosidade da obra e marco neste gênero.

Quote:
“Com que rapidez se aceita o inacreditável, depois que se vê o suficiente!” Pág.: 124

Nota do Filme:
O filme de 2007,está muito bem adaptado, mas faço algumas ressalvas, como o Robert do livro ser muito mais “humano” do que o do filme que ao meu ver está muito “perfeito” mesmo tendo passado o que passou. A praga foi bem adaptada, embora no livro seja um pouco diferente, mas posso dizer que no filme funcionou muito bem. Filme que manteve a atmosfera do livro, com uma interpretação incrível de Will Smith e com uma trilha sonora de cortar o coração, como o livro sugere.

Assista ao Trailer!!!

Obs.: Essa nova Edição de 2015, feita pela Editora Aleph vem recheada de extras que fazem muita diferença e apreciar ainda mais a obra e o autor, com um prefácio muito merecido do escritor Stephen King.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Resultado: Sorteio: Ano novo, livros novos 2016!!!

E vamos ao resultado do sorteio, primeiro enumerei os comentários com os nomes de cada participante:

1.Bruna Costenaro
2.Thiago Freitas
3.Bruna Guedes
4.Diana Melo
5.Natália Morais
6.Ana Carolina Ribeiro
7.Jessica Lisboa
8.Andressa Bernardes
9.Maribook
10.Brena Carvalho
11.Jessica Rabello
12.Kamila Fernandes
13.Gustavo Baracho
14.Rogério
15.Adriana Medeiros
16.Kayna Barra



PARABÉNS ANA CAROLINA RIBEIRO

Parabéns Ana Carolina você tem 3 dias(até o dia 28/01/2016) para entrar em contato com o blog através do email: palavrasproliferas@gmail.com seus dados completo como: nome e endereço completos. Caso não retornar em até esses 3 dias um novo sorteio será feito sem data prevista. o blog tem até 30 dias para enviar o prêmio ao vencedor. Obrigada a todos que participaram e continuem acompanhando blog tems sempre novidades e sorteios literários para nossos leitores.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Momento Romance de Banca #30: Noiva de Momento, Leanne Banks


Emily sempre foi a típica dondoca a fazer as coisas na hora e no momento certo, fazendo sempre os desejos de sua mãe. Mas chega o momento em que ela ver o mundo e não é cor-de-rosa então Emily abandona seu noivo, traiçoeiro, no altar.
Num lugar bem distante, cidadezinha pacata, Emily afoga seus males no bar, ainda vestida de noiva. E como não poderia ficar pior o xerife da cidade: Beau Ramsey, decide que Emily tem que parar de beber.
Nesta cidadezinha Emily decide recomeçar, porém seu passado a assombra, perturbando-a constantemente. Já Beau não quer saber de compromissos, mas não consegue disfarçar a atração que sente por esta jovem que no mínimo é maluca. O encontro dos dois é sempre agressivo e o xerife não vê a hora de Emily retornar para sua casa e parar de fervilhar a cidade que se encantou com as atrapalhadas desta protagonista.

Esse é o primeiro livro de uma trilogia que vai contar a estória de três amigas, a autora já é conhecida nas minhas leituras e resenhas aqui no blog, portanto é uma DIVA dos romances de banca, com cenas picantes, românticas e divertidas Leanne Banks me conquistou com seus livros.
O foco principal deste romance é o casal principal com personalidades tão diferentes podem conviver e se apaixonar. A amizade entre as três jovens aparece, mas em segundo plano, a cenas delas são divertidas e na medida certa.
Os dilemas da protagonista foram bem resolvidos, com medo de arriscar e fazer tudo de acordo planejado para ela, Emiliy faz algo bem inesperado quando foge de seu próprio casamento (claro que tem um motivo para essa fuga, ela não é um momento de rebeldia sem causa), e muda sua vida completamente se arriscando a improvisar e mudar planos de uma hora para outra, começar a andar com seus próprios pés e tomando suas decisões sem consultar ou ser manipulada por outra pessoa.
Beau é típico homem que já estou acostumada com os romances desta autora, sempre muito ríspido e “não quero compromisso com ninguém”, ele não percebe, mas Emily vai tomando conta de seus pensamento e sonhos, até ele ficar apavorado com esta intensidade de sentimento, claro que vai fazer algumas idiotices comum desses homens que não querem relacionamento sério, mas algumas coisas vão mudando e o personagem amadurecendo.

Um romance bem divertido com cenas sensuais de tirar o fôlego, tenho certeza que o leitor irá se apaixonar pelas atrapalhadas da Emily e vai querer acompanhar sua jornada de autoconhecimento e em busca de sua felicidade.

Quote:
“ – Não há necessidade de ser desagradável – disse Caroline. – por que nós não perguntamos para Emily o que ela quer fazer?
Todos os olhos se voltaram para Emily.
Ela piscou, como se ninguém nunca tivesse questionado sua preferência. Então, o rosto se clareou, e ela deu um sorriso tão brilhante que Beau poderia ter jurado que não precisava de luzes em sua sala.
 - Quero tirar este vestido e quero ficar.” Pág.: 31

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Resenha: O Sol e o Peixe, Virginia Woolf


Este livro é uma reunião de alguns textos poéticos da autora, ela é muito famosa por seus romances, mas Virginia escreveu vários, textos, contos e ensaios durante sua carreira. São textos de linguagem polida, bonitos, sensíveis e bem reflexivos que acredito ser a marca registrada da autora, fazer com que o leitor reflita sobre tudo o que é posto no papel.

Foi meu primeiro contato com a autora, nunca tinha lido nada dela anteriormente e confesso que gostei. Algumas ressalvas faço, com relação a esse primeiro contato e não estar acostumada com sua escrita, alguns textos achei difíceis e alguns trechos não entendi.
Entretanto gostei muito de como ela escreve e leva a reflexão.
Um texto que esta na primeira parte do livro, por título: “Memórias de um filósofo em casa”, é um de meus favoritos, segundo pesquisei e o leitor consegue ver em que Woolf esta relacionando, esse texto é sobre seu pai, que foi muito importante na sua formação e nas suas leituras. Nele Virginia mostra sua gratidão ao pai e como era fascinante ter uma pessoa que sempre a instigava a estudar e ler, fala de um homem excêntrico, porém trivial e de como sua leitura e escrita influenciava suas filhas. Um homem de grande intelecto e até digo que era um gênio incompreendido.

“Eu sou o mais facilmente entediado dos homens.” Pág.: 23

Em outro texto a autora mostra a importância de ler, não só um tipo de gênero ou autor, mas de tudo. A importância do leitor e como sua influência pode incentivar os autores a escreverem mais e melhor, sem julgamentos ou preconceitos.
O texto: Flanando em Londres, Depois de dizer que quer comprar um lápis, a autora viaja pelas ruas nas estórias de uma anã comprando sapatos, do livreiro e sua mulher, de todo o cotidiano das ruas de Londres de alto a baixo.

Autora bem densa, reflexiva e bem poética, gostei muito da leitura desses textos e quero ler mais da Virginia Woolf. Se ainda não leu nada dela comece pelos textos e contos que vão te introduzir melhor nos livros da autora.